fbpx

ATV: um passo em direção à Agricultura de Precisão e à sustentabilidade.

Por Luiz Alberto Hiroshi Horita

Saiba como a agricultura de precisão e a tecnologia de aplicação em taxa variável (ATV) ajudam na produtividade do agronegócio e promovendo uma maior sustentabilidade da lavoura.

Todo o alimento que nos nutre no dia a dia faz parte de uma grande cadeia de eventos planejada há meses. Mas o que a agricultura de precisão e a sustentabilidade têm a ver com isso? Bom, continue a leitura e confira estes números abaixo!

Crescimento da População Mundial x crescimento do agronegócio

Estima-se que até 2050 seremos quase 10 bilhões de humanos no planeta (mesmo considerando a pandemia), visto que a população mundial tem crescido de forma exponencial, e só neste ano, até o momento (maio de 2021), já houve um aumento populacional de quase 30 milhões.

Isso implica em uma crescente demanda por produtos básicos (comida, combustível, vestimenta etc.).

No entanto, a produção de alimentos no mundo cresce a um fator linear, ou seja, eventualmente a capacidade de produção agrícola não será suficiente para suprir a demanda no mundo. Confira:

Percebe que a conta não fecha? Nesse contexto, vê-se a importância de colocarmos em pauta o assunto agronegócio. Ainda mais sabendo que o Brasil tem grande potencial de maior aumento de produção se comparado ao resto do mundo. Observe que estamos falando de produtividade!

Isso quer dizer produzir mais com a mesma quantidade de recursos disponíveis: terra, água, insumos, entre outros.

Neste ponto, surge o tema da agricultura de precisão, que apesar de estar bastante em alta hoje, foi introduzida no Brasil na década de 1990!

Agricultura de precisão e a Aplicação em Taxa Variável (ATV)

Sendo breve, a Agricultura de Precisão é um conjunto de técnicas e tecnologias que busca lidar com a variabilidade do ambiente, seja ela de solo, relevo, climas e pragas, de forma a otimizar o uso dos recursos.

Neste assunto, uma prática que tem crescido bastante e direcionado a forma como lidamos com as lavouras é a de aplicação em taxa variável de insumos agrícolas.

Orthomosaico RGB - BemAgro
Orthomosaico RGB – BemAgro

Índice Vegetativo VARI - BemAgro
Índice Vegetativo VARI – BemAgro
 Modelo Digital de Elevação (DEM) - BemAgro
Modelo Digital de Elevação (DEM) – BemAgro

A tecnologia de aplicação em taxa variável (ATV), como o próprio nome diz, trata-se de ferramentas capazes de variar a taxa de aplicação (seja líquido, em L/ha, ou sólido, em Kg/ha) dos insumos de acordo com o diagnóstico do campo.

Devido à variabilidade do ambiente, o ideal é tratarmos ele de acordo com essa variação no campo, então, quando se trata de aplicação de insumos devemos considerar que há regiões que necessitam dos mesmos e regiões que necessitam menos ou apenas não necessitam.

Considere que ao trabalharmos com uma lavoura, estamos lidando com vidas (das plantas, dos insetos e tudo que incorpora também o microbioma do solo), e assuma também que cada ação nossa no campo pode causar alguma consequência, seja ela boa ou ruim.

Imagine agora um cenário hipotético, onde um talhão está infestado de ervas daninhas (plantas invasoras), porém apenas em algumas regiões dele. Se aplicarmos um herbicida de forma uniforme em toda a área do talhão, podemos gastar mais herbicida do que é realmente necessário, podendo prejudicar o solo com os produtos químicos em excesso e acarretar consequências ruins de produtividade no futuro.

Ou então, imagine que estamos trabalhando em uma lavoura de algodão que, por algum motivo, está crescendo de forma excessiva e, pelo diagnóstico realizado, precisa ser controlada através de um regulador de crescimento.

No entanto apenas algumas regiões desta mesma lavoura estão com esse problema, então ao se aplicar o regulador de crescimento em toda a área, podemos novamente gastar mais do que é realmente necessário, estressando algumas plantas que não se enquadram nesse crescimento excessivo e prejudicando o desenvolvimento saudável delas.

E isso vale para outras aplicações também, como fertilizantes, inseticidas, semeadura etc.

Aplicação em taxa variável ilustrativa
Aplicação em taxa variável ilustrativa

Aplicação em taxa variável (ATV) na prática

É claro que para adotar esta prática de ATV, é preciso antes realizar um bom diagnóstico da lavoura e um mapeamento para analisar, de forma quantitativa e qualitativa, quanto da mesma está comprometida e qual o grau de severidade, seja qual for o problema. Lembrando que a geração dos mapas e suas análises podem ser feitas por meio da Plataforma BemAgro, por exemplo.

Feito isso, um mapa de ATV é gerado com as sub-regiões georreferenciadas marcadas e as respectivas taxas de aplicação especificadas.

Este mapa é então importado na máquina, embarcada de tecnologias necessárias para a ATV (GPS de alta precisão, controle de taxa variável por seção ou bico-a-bico), e finalmente é realizada a aplicação do(s) insumo(s).

Além disso, vale ressaltar que a adoção dessa tecnologia não vai resolver todos os problemas do campo, mas certamente já é um passo em direção à agricultura de precisão, à melhora de produtividade e à sustentabilidade.

Sim, é possível produzir mais alimentos, com menos recursos e maior qualidade. E a ATV é uma das ferramentas que podem ajudar o produtor rural a ter uma lavoura mais produtiva e sustentável.

Gostou do conteúdo? Em breve falaremos mais sobre o assunto, além de casos reais nos quais a ATV já fez a diferença!

Aproveite para conhecer mais sobre este e demais relatórios agronômicos que ajudarão sua lavoura a ter resultados ainda melhores. Faça um teste gratuito de 7 dias da nossa plataforma.

Luiz Alberto Hiroshi Horita

Luiz Alberto Hiroshi Horita é P&D de Inteligência Artificial e Product Owner de Soluções da BemAgro. Em seus 5 anos de experiência com pesquisa e desenvolvimento tecnológico, trabalhou em projetos que abrangeram desde integrações de sensores para telemetria (hardware) à análise de dados e implementação de soluções (software), sendo a maioria aplicadas ao agronegócio. Formado em Engenharia Eletrônica pela Escola de Engenharia de São Carlos – USP e mestrando em Ciência de Computação e Matemática Computacional pelo Instituto de Ciências Matemática e de Computação – USP.

PortuguêsEnglish